Já é oficial. Patty Jenkins regressa para dirigir a sequela de “Mulher Maravilha”

Após longas e duras negociações, a Warner Bros. Pictures anunciou que chegou a acordo com Patty Jenkins para dirigir a sequela de “Mulher Maravilha”. A cineasta irá também co-escrever e produzir o filme sensação que foi um sucesso de bilheteira, ao arrecadar até ao momento mais de US$ 816 milhões.

Segundo o The Hollywwod Reporter, o acordo tornou Jenkins como a realizadora mais bem paga da história, envolvendo uma quantia estimada entre os 7 e 9 milhões de dólares, dentro do mesmo valor recebido por Zack Snyder por “Homem de Aço” ou “Batman vs Super-Homem: O Despertar da Justiça“, mas bem superior ao milhão que recebeu pelo primeiro filme.

Assim como “Mulher Maravilha” quebrou barreiras e recordes em filmes de super-heróis, este acordo também quebrou um teto de vidro para as mulheres realizadoras, que assim podem alargar os seus horizontes de negociação.

Recorde-se que Jenkins chegou à realização do filme como substituta de Michelle McLaren, que deixou o projeto devido a diferenças criativas. Junto com a estrela Gal Gadot, a cara do filme, depressa se tornou uma figura indispensável nos meses anteriores à estreia nos cinemas, no passado mês de junho.

Tal como para o primeiro, o acordo só abrange a realização de “Mulher Maravilha 2” e se hipoteticamente o estúdio decidir avançar com um terceiro filme, terão de haver novas negociações e dependendo do êxito que venha alcançar, quando for lançado nos cinemas a 13 de dezembro de 2019, os valores poderão ainda subir mais.