Começa hoje a 16ª edição do DocLisboa – Festival Internacional de Cinema

16ª edição DocLisboa - Festival Internacional de Cinema

A partir de hoje (18) e até ao dia 28 de outubro, vai decorrer mais um DocLisboa. Já na sua 16ª edição, o Festival Internacional de Cinema é um dos mais importantes eventos internacionais dedicado ao cinema documental, que percorrerá alguns espaços da capital, como o Cinema São Jorge, a Culturgest, Cinema Ideal e a Cinemateca Portuguesa.

A programação deste ano integra 243 filmes, oriundos de 54 países, de formato curto e longo, entre os quais 59 de produção portuguesa e muitos em estreia mundial e internacional, que serão exibidos pelas diversas secções competitivas, temáticas e retrospetivas.

Esta noite, a abertura do festival está a cargo de “The Waldheim Waltz”, da realizadora Ruth Beckermann, filme que foi submetido pela Áustria a uma nomeação aos Óscares, sobre Kurt Waldheim, o antigo secretário-geral da ONU, que escondeu o seu passado durante o regime nazi. Para a sessão de encerramento foi escolhido “Infinite Football”, de Corneliu Porumboiu, que regressa à sua terra natal para contar a história de um amigo de infância que inventou um novo desporto alterando as regras do futebol.

Em destaque estará uma retrospetiva integral da obra, praticamente desconhecida em Portugal, do cineasta colombiano Luis Ospina, que marcará presença no festival e ainda do foco temático “Navegar o Eufrates, Viajar no Tempo do Mundo”, que através do cinema e da história daquela região geográfica apresentará obras que servirão de chave para entender o seu presente.

Fahrenheit 11/9”, de Michael Moore, sobre a administração de Donald Trump, “”O Plano”, de Steve Sprung, sobre trabalho e o olhar de Almudena Carracedo e Robert Bahar sobre vítimas do franquismo, em Espanha, “The Silence Of Others”, são algumas das novidades do DocLisboa 2018 que serão apresentadas, entre outras, na secção “Da Terra à Lua”.

Na Competição Internacional serão apresentados 22 filmes, provenientes de 21 países, que segundo a organização “revelam a pluralidade formal e estética dos olhares sobre o mundo, os diversos modos de pensar e agir sobre o que nos rodeia”. O filme português “Antecâmara”, de Jorge Cramez e as coproduções, “Odyssey”, de Sabine Groenewegen (Holanda, Bélgica, França, Portugal) e “Para La Guerra”, de Francisco Marise (Argentina, Espanha, Portugal, Panamá), fazem parte da competição, ao lado de títulos interessantes como ” “Resurrection”, de Orwa al Mokdad e “Goodnight and Goodbye”, filme do realizador Yao-Tung Wu.

Entre as produções nacionais selecionada para esta 16ª edição, encontram-se “Extinção”, de Salomé Lamas, “Terra Franca”, de Leonor Teles, “Casa Encantada”, de Júlio Alves, “A (im)permanência do Gesto”, de Manuel Botelho, “Avenida Almirante Reis em 3 Andamentos”, de Renata Sancho e ainda um segundo filme de Cramez, “Actos de Cinema”.

Na secção “Heart Beat” consta uma homenagem à famosa cantora Aretha Franklin com a projeção do filme “The Blues Brothers”, de John Landis, assim como, documentários sobre os Depeche Mode, Rostropovich e Blue Note, e ainda o filme “Friedkin Uncut”, de Francesco Zippel sobre William Friedkin, o realizador de “O Exorcista (1973). James Benning e Mike Hoolboom são os realizadores convidados para a secção Riscos, a mais experimental sobre o cinema, a sua história, as suas estratégias e linhas de fuga.

A programação inclui ainda 20 filmes, entre curtas e longas-metragens, na secção competitiva “Verdes Anos”, que nos mostram os olhares de novos realizadores, enquanto que, na secção “Cinema de Urgência”, as sessões são construídas em torno de problemas relativamente aos quais é urgente criar uma comunidade de debate.

Procurando ser mais inclusivo, o DocLisboa apresenta nesta edição uma sessão de audiodescrição para cegos e pessoas com deficiência visual, no dia 19 com o filme “Shut Up and Play the Piano”, de Philipp Jedicke.

Para mais informações consulte o site oficial do DocLisboa.

Artigos relacionados